A cultura Netflix que a faz uma das empresas mais inovadoras do mundo

Por: Cabanellos Advocacia em 17 de 05 de 2018

Fotos: Pedro Moreira

Netflix, o maior serviço de entretenimento via internet no mundo, com 125 milhões de usuários, tem no seu DNA a inovação. Mas para que esta seja uma realidade que se aperfeiçoa constantemente é preciso entender como ela acontece, e isso só é possível quando se conhece a cultura empresarial que a faz o que é.

Para falar sobre o tema, o Cabanellos Advocacia convidou Martin Spier, engenheiro de performance da Netflix, em sua passagem pelo Brasil, para um talk show, dia 16/5, para startups e empresas convidadas. 

O evento, que reuniu mais de 120 pessoas na sede da Praça Japão, em Porto Alegre, faz parte de uma série de ações que o escritório tem promovido, apoiado ou patrocinado, que tragam cases e referências relacionados ao mundo do trabalho, gestão, tecnologia, inovação, e como tudo isso se conecta direta ou indiretamente com o universo jurídico.

Nesse exercício de conhecer o trabalho de organizações exponenciais da nova economia, o Cabanellos também tem participado de eventos no Brasil e exterior, como a LawTech Conference, esta semana em São Paulo, e a missão AB2L Silicon Valley Experience, em abril, nos Estados Unidos, quando os sócios do escritório Gabriel Lopes Moreira e Roberto Xavier Lopes visitaram diversas organizações de ponta, entre elas a sede da Netflix em Los Gatos (Califórnia), sendo muito bem recebidos por Martin (veja aqui os vídeos e relatos dos sócios sobre a missão).

 

Acompanhe alguns highlights da palestra:

“Se valoriza muito a tomada de decisão e todo mundo tem que ser um ótimo tomador de decisão. As ideias surgem de quem está botando a mão na massa e não por quem está lá em cima e diz o que tem que ser feito. É muito mais uma cultura ‘bottom up’ do que ‘top down’.”

“A política de RH é contratar pessoas com experiência e que sejam muito boas no que fazem. E a barra [régua] aumenta a cada contratação. Eu só vou contratar alguém que seja melhor que o meu time atual.”

“Praticamente não há regras, só se for para melhorar algo.”

“Pessoas vêm antes de processos, pois confiamos nas pessoas. Não precisamos botar processos. Mantemos as pessoas que estão entregando muito valor, e com quem você aprende muito e tem confiança.”

“Gerentes têm que se perguntar a toda hora: se essa pessoa resolvesse sair da empresa, eu realmente iria brigar para mantê-la no meu time?. Se a resposta não for extremamente positiva, esta pessoa não deveria estar ali, pois não faz tanta falta.”

“Não ter medo de errar. Pois para entregar algo excelente é preciso tentar, mesmo que erre e tente novamente até acertar.”

“Entregar muito valor não significa ficar horas e horas trabalhando, envolve, sim, entregar algo.”

“Damos liberdade total para as pessoas contratadas. Confiamos que elas terão responsabilidade para tomar decisões.”

 

Veja abaixo imagens do evento:

 

Martin compartilha insights sobre cultura para inovação para plateia atenta e participativa.

Martin, convidados e equipe Cabanellos trocam ideias e percepções sobre o tema do encontro.

 

>> Para conhecer mais sobre a cultura Netflix, Martin indica o livro “Powerful: Building a Culture of Freedom and Responsibility”, de Patty McCord.